Imagem capa - Retratos - 12 Mulheres Negras por gilson lorenti
Retrato Feminino

Retratos - 12 Mulheres Negras

Hoje é Dia da Consciência Negra. Nada melhor do que celebrar essa data com 12 retratos de mulheres negras de Presidente Prudente e região que fotografei nos últimos anos. Algum tempo atrás (diria que três ou quatro anos) tive a ideia de fazer um ensaio fotográfico em comemoração ao Dia da Consciência Negra. Convidei a Joice Crist para esse ensaio. O resultado foi tão legal que nasceu o projeto Mulheres em Negro e Branco. A ideia era fazer retratos de mulheres negras com uma luz bem clássica e uma pose básica. A força de cada foto é o que a retratada tem a nos contar sobre sua vida, seus sonhos suas batalhas. Acho que muita gente gostou da ideia e, 22 retratos depois, tivemos uma exposição no Centro Cultural Matarazzo de Presidente Prudente.


E o que esse projeto me mostrou? Que a questão do preconceito, embora camuflada por camadas de pretensa igualdade, realmente existe. E ela existe muito na fotografia também, para nossa tristeza. Procurando referências na internet, no Instagram e no Flickr, acabei percebendo a pequena quantidade de mulheres negras que estão representadas nas fotos. Procure aquele fotógrafo de ensaios fotográficos que você tanto gosta e veja quantas modelos negras ele já fotografou. Aposto que não serão tantas assim. Nas capas das revistas e propagandas também percebemos essa falta de representatividade. Quando a revista Playboy deixou de ser publicada pela Editora Abril, constatamos que em 40 anos de história no Brasil (e 486 edições) a publicação teve apenas 9 mulheres negras na capa. O IBGE aponta que que apenas 8% da população brasileira se declara como preta, mas temos 49% que se declara parda. Então apenas 9 capas em 40 anos é muito pouco. Na época da divulgação dessa informação, quem trabalhava na redação disse que foram poucas capas, mas foram as que venderam menos. Então fica o dilema Tostines. Vendeu pouco por terem mulheres negras, ou por ter poucas negras nas capas é que vendeu pouco?


Outra constatação de pouco caso da fotografia para com pessoas negras é um fator técnico. Pode parecer uma coisa boba, mas por décadas a indústria fotográfica baseou a revelação de fotos e fabricação de filmes em um target de calibração que não levava em conta o tom de pele de pessoas negras. O resultado era que pessoas negras nunca eram bem representadas nas fotos, ficando muito escuras. Embora isso tenha começado a mudar nos anos 90, só com a tecnologia digital é que a tonalidade de pele das pessoas negras começou a ser bem representada, pois cartões de calibração começaram a levar isso em conta. Atualmente os colorcheckers que utilizamos para calibração de câmeras possuem uma tonalidade de pele caucasiana e uma negra. 


Porém, independente de fatores estéticos, técnicos ou do preconceito de pessoas, o que temos hoje, no Dia da Consciência Negra é uma pequena amostra da beleza da mulher negra e como ela deve ser representada e mostrada constantemente. 


Aqui vão 12 mulheres que fotografei nos últimos anos, em meio a tantas outras, que merecem o parabéns por esse dia tão importante. 



Leah Toledo


Joice Crist



Daniele Oliveira



Nayra Maciel



Amanda Damacena




lKarol Ramos



Lais Lins



Suyhlla Coelho





Débora Brasil



Janaina Arantes