Imagem capa - 5 Discos de Blues para ouvir na quarentena por gilson lorenti
Música

5 Discos de Blues para ouvir na quarentena

Quarentena, uma realidade que poucos brasileiros tiveram que enfrentar na história. A ordem é ficar em casa e achatar a curva de infecção do novo coronavírus. Embora esteja sendo um inferno para prestadores de serviços (e fotógrafos estão entre os mais afetados pela crise) ficar em em casa pode ser proveitoso para organizar coisas, planejar o futuro, estudar, ler os livros que estão atrasados e, também, ouvir música. E é justamente uma dica de música que venho oferecer a vocês. 


Nos dias de hoje, embalados pela nova tecnologia do streaming, as pessoas apenas escutam música. Não existe mais um processo de apreciação musical. Já falei em algumas ocasiões que possuo um ritual diário de sentar no sofá, escolher um disco, e passar pelo menos 40 minutos com uma boa caneca de café absorvendo a música. Ouvindo cada instrumento, cada detalhe interessante das composições. E com a quarentena esse hábito se multiplicou em muito. Tenho mais tempo disponível para ter a companhia de meus discos favoritos. Então, aproveitando que estamos em casa, aqui vai uma seleção de 5 discos de blues para você ouvir na quarentena. Você teria uma seleção diferente? Então deixa sua opinião nos comentários. 


The Robert Cray Band – Who’s Been Talking



Lançado em 1980, esse foi o primeiro trabalho de Robert Cray e sua banda. Conheci o disco uns 20 anos atrás na casa de um amigo. Na realidade, eu ouvi a música I’m Gonna Forget About You em uma coletânea de Blues e fiquei completamente apaixonado pela batida da canção. Fui atrás do álbum e não me arrependi. Um disco animado, com guitarra aguda e penetrante e a voz incrível de Robert Cray. Considero ele uma das grandes lendas do Blues e que ainda está em plena atividade. O disco possui apenas 35 minutos de duração e a versão em CD não é muito fácil (e nem barata) de achar no Brasil. O vinil foi lançado em terras tupiniquins e é fácil de achar por um preço baixo. Outras músicas de destaque são Too Many Cooks, Who’s Been Talkind e That’s What I’ll Do. O disco também está disponível no Spotify.


Buddy Guy – Bring ‘em In



Buddy Guy é um de meus artistas preferidos. Blues bem tocado e estridente. Esse disco foi lançado em 2005 e foi o primeiro disco dele que comprei. Me foi apresentado por um amigo e na mesma hora fiz uma cópia para levar para casa. Depois consegui o original para ter na estante. Nesse disco temos uma guitarra primorosa e a voz característica de Buddy Guy em uma mistura de sussurro e melodia. Destaque absoluto para as duas baladas que fazem parte da obra. Ain’t No Shunshine, com a participação de Tracy Chapman, e I’ve Got Dreams to Remember, que teve a participação de John Mayer. O disco segue com ótimas canções como On a Saturday Night, I Put a Spellon You e Now You’re Gone. Vale a pena procurar o disco e ter em sua coleção. Também disponível no Spotify.


kingfish – Kingfish



Lançado em 2019, esse disco do Kingfish foi classificado por muitos críticos como um dos melhores álbuns do ano. O que temos aqui é um Blues com batidas bem rock’n roll, mas com um pé fincado forte no passado. Podemos ver essa junção entre o novo e o clássico na música Fresh Out com a participação de Buddy Guy. Uma característica bacana é que o vocal possui tanta importância quanto os fraseados de guitarra. Uma boa novidade no mundo do Blues. Christone “Kingfish” Ingram é um jovem de apenas 21 anos e esse é seu primeiro disco. Creio que ele ainda vai nos brindar com muitas coisas boas no futuro. Destaques para Outside of this Town, If You Love Me, Believe These Blues e That’s Fine By Me.


Billy F Gibbons – The Big Bad Blues



E o Reverendo Billy F. Gibbons, também conhecido por ser o vocalista do ZZ Top, lançou em 2018 o seu segundo álbum solo contendo 11 músicas carregadas de Blues e Rock’n Roll. O que temos aqui são guitarras primorosas, batidas dançantes e a voz meio rouca de Gibbons levando todas as músicas. O álbum só tem um defeito. Ele é muito curto, pois são apenas 39 minutos de músicas. Destaques para My Baby She Rocks, Stand Around Crying, Bring it to Jerome e Hollywood 151. É só colocar para tocar e balançar o corpo.


Boom Boom - John Lee Hooker



Muitos dizem que John Lee Hooker foi o último dos clássicos guitarristas de Blues do Delta do Mississippi. Uma galera que conseguia causar uma tempestade sonora apenas com um violão e um banquinho. Esse disco foi lançado em 1992 e mostra a energia de um cantor que marcou sua época e com uma força vocal incomparável. Temos aqui a clássica Boom Boom abrindo o disco. A canção é de 1962, mas até hoje é a mais conhecida do artista. O disco segue com composições fenomenais e participações muito especiais de outros artistas. Temos Jimmie Vaughan na faixa-título, Robert Cray em "Same Old Blues Again", Albert Collins em "Boogie at Russian Hill" e John Hammond em “Bottle Up and Go.” Blues antigo e animador.