13/07/2020 às 17:32 Fotografia

Simone Biles na capa da Vogue - mas a militância não está feliz

765
2min de leitura

Vivemos em tempos onde a questão racial está em foco e é utilizada para analisar tudo, mesmo que no contexto geral a discussão pareça ridícula (como o fato de criticar os fabricantes de equipamentos por utilizar a nomenclatura master/slave nas unidades de iluminação dedicadas). Muitos gritam sobre dívida histórica, mas é normal colocar isso acima da competência?

Vamos ao caso mais recente. A revista Vogue anunciou sua nova edição de agosto com a ginasta mundialmente famosa Simone Biles  na capa. Aliás, uma belíssima capa. Para o ensaio fotográfico, a revista contratou a mundialmente famosa fotógrafa  Annie Leibovitz. E foi aqui que começou o problema. Dezenas de vozes do mundo da moda e da fotografia se levantaram criticando a escolha de uma fotógrafa branca para fotografar a capa de uma personalidade negra. 

As críticas vieram de um amplo espectro de vozes, incluindo fotógrafos e editores de destaque como o editor de fotografia do New York Times, Morrigan McCarthy, e a fundadora do Black Women Photographers , Polly Irungu.  E aqui vai a cereja do bolo. As críticas caminham pelo argumento de que a iluminação escolhida não foi a melhor possível para o tom de pele da modelo e que um fotógrafo negro saberia iluminar melhor a tonalidade negra da pele. 

Mas,  um conselho para os fotógrafos iniciantes que poderiam acreditar nessa sandice. Iluminar a pele negra não tem nada a ver com a sua cor, e sim com estudar fotografia. Sim, a pele negra precisa de cuidados mais específicos, pois absorve mais luz do que a pele branca. É um desafio de fotometria, não de raça.  Analisando as fotos, a fotógrafa escolheu uma paleta de cores mais neutra, voltado para o dourado. Isso é errado? Não, apenas é a visão da fotógrafa que teve como tarefa exemplificar um texto que é bem pesado, pois destaca principalmente a questão do escândalo de abuso sexual da equipe de ginástica norte americana pelo médico  Larry Nassar. Então, a linha editorial exigiu imagens mais suaves. 

Felizmente, muitos defenderam a escolha da fotógrafa realçando que Annie já fotografou muita gente de pele negra, como Kendrick Lemar, o Presidente Obama, Michelle Obama, Chris Rock, Denzel Washington , Viola Davis, entre outros, e dizer que ela não sabe iluminar um retrato é uma falácia sem limites.

Até onde a cor da pele de um profissional pode ditar o que ele pode fazer ou não? Simone Biles foi fotografada por uma das mais famosas fotógrafas vivas do mundo e, para a militância, não é suficiente. Deveria ter sido registrada por uma fotógrafa negra, mesmo que com conhecimento e talento menores. Esse mundo anda muito estranho. 

Fonte: Petapixel

13 Jul 2020

Simone Biles na capa da Vogue - mas a militância não está feliz

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

Annie Leibovitz polêmica simone biles vogue

Quem viu também curtiu

29 de Mar de 2019

Melhor resolução de foto para facebook e Instagram

02 de Jul de 2020

Fotografando garotas de programa - um tutorial

08 de Ago de 2019

Como fazer um Ensaio Fotográfico Feminino