Imagem capa - 29 anos sem Freddie Mercury por gilson lorenti
Música

29 anos sem Freddie Mercury

Hoje é um dia triste por lembrarmos a morte do grande e inesquecível Farrokh Bulsara. Ele morreu em 24 de novembro de 1991 com 45 anos, vítima de uma broncopneumonia que foi acarretada pela AIDS. E sim, se você me acompanha nos diversos blogs e sites que eu já escrevi, sabe que todos os anos vou lembrar da morte do maior cantor do rock de todos os tempos. 


Líder de uma banda que entrou para a história e que pode ser reconhecida em qualquer parte do mundo por conta do poder das canções que criou, o moço tinha uma personalidade forte, um ego gigantesco e um talento monstruoso. Multidões ficavam totalmente em suas mãos durante as apresentações e, junto com sua banda, lançou nada mais do que 15 discos de estúdio, dois discos solo e vários discos ao vivo que são lançados até hoje. Aliás, o apetite comercial dos empresários do grupo é algo que não tem limites. 


Não sabem de quem estou falando? Bem, talvez vocês conheçam Farrokh Bulsara pelo nome artístico que o deixou famoso. Estamos falando de Freddie Mercury, vocalista da banda Queen. Hoje sou um grande fã do grupo, tenho todos os discos e agora estou focando em adquirir os diversos registros ao vivo e os discos solo dos membros da banda, mas nem sempre foi assim. Na minha estrada de conhecimento do rock, a primeira vez que ouvi o grupo eu não gostei. Adolescente não tem muita capacidade de reconhecer o que é bom. Vários anos depois, e já com um pouco de sabedoria, comprei um Greatest Hits (o primeiro) da banda e me apaixonei. E desde esse dia me tornei fã do trabalho do grupo.





Mas, não sou um fã maluco a ponto de falar que todos os discos são maravilhosos. Assim como toda banda de rock, o Queen teve seus altos e baixos. Quem se interessa pela trupe britânica pode ver muito bem esses aspectos no ótimo documentário Days of our Lives que foi lançado em 2011 e está disponível em Blu-ray e DVD no Brasil (fiz uma busca rápida e encontrei alguns usados para compra no mercado livre. Também existe no Youtube legendado).


Freddie Mercury nasceu em Zanzibar (Tanzânia) em 5 de setembro de 1946. Em 1970 formou a banda Queen com Brian May (guitarra e vocais), John Deacon (baixo) e Roger Taylor (bateria e vocais). Lançou diversos discos, transitou por diversas influências e encantou o mundo com a potência extraordinária de sua voz e com seu talento. Ainda hoje é citado como grande influência por diversas bandas da atualidade. Vendeu (somente com o Queen) mais de 150 milhões de discos e está sempre presente nas listas de maiores cantores da história. Uma grande perda para o Rock e para a música em geral. Um artista que até hoje deixa saudades.




Porém, sejamos justos. O impacto e o sucesso do Queen não se deve apenas a um membro. Era a química perfeita entre os quatro integrantes que gerou todo o sucesso e reconhecimento. Prova disso é que nenhum dos projetos solo dos integrantes da banda atingiu grande relevância, inclusive o primeiro disco solo de Freddie Mercury, Mr. Bad Guy (lançado em 1985) que foi um gigantesco fracasso de vendas. 


Para relembrar o senhor Farrokh Bulsara vamos ver a apresentação do Queen no Live Aid em 1985. Essa apresentação foi muito importante para a banda, pois os ânimos estavam baixos entre os rapazes e o retorno que o público apresentou para às músicas fez com que eles tivessem gás para mais turnês gigantescas. Essa apresentação foi quase inteira encenada no filme Bohemian Rhapsody, lançado em 2018, que mostra o começo da banda e sua chegada ao sucesso. Embora o filme seja muito bacana, existem várias partes adaptadas e informações que não condizem com a realidade. A melhor fonte de informação até hoje ainda é o documentário citado acima. 


P.S. Existiam ótimos vídeos com qualidade em HD da apresentação do Queen no Live Aid no Youtube. Mas, depois do sucesso do filme o detentor dos direitos autorais começou a derrubar todos eles da plataforma. Então temos que ficar com as versões mais inferiores. Uma pena.